novembro 29, 2010




ASAS MALIGNAS

Vejo sobre a grandiosa árvore de palma
a contraluz as cegonhas como aracnídeos
talvez através de um véu de cassa. Esta visão
isola-me do mundo e beneficamente
reconduz-me depois aos significados
que formam o mundo. Nunca as cegonhas
me tornaram excêntrica de mais,
apenas íntima a elas e estranha
a outros restos de sentido.

A brisa que confunde as asas temíveis
com as varas agitadas de palma,
a restante brisa que sopra em outras copas,
qualquer outra árvore que dobrando-se
simula também um par de asas malignas,
toda essa aragem dupla que redemoinha
entre árvores firmes eleva as telas frágeis
das asas. Que mensagem posso dar
para além da aberração dos colos
enlaçados como um insecto a estrebuchar
num precipício real elevado?
Até os fios da teia na treva
mesmo que se assemelhem a folhas
são cada vez mais angulosos, embutidos
na noite como garras. O casal de cegonhas
é um alvo demasiado fascinante
para eu sustentar o olhar nos seus círculos.
Entre a noite e as imagens que me suscita
esse ponto branco, o par, giram em volta
frestas luminosas, para que alguém as agrupe
num indício. O resto do tufo das árvores
tornou-se uma imagem desapercebida
porque já desde o princípio o seu movimento
ofuscado contrastava com as asas negras.

Fiama Hasse Pais Brandão

2 comentários:

mdsol disse...

:))

vbm disse...

Gosto de Fiama! :)